quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A Mágica do Saber

Logo que, no mundo virtual da internet, meus olhos bateram na capa do livro que me acompanhou pelo antigo curso primário durante os 5 anos que ele durou, lembrei-me do nome de uma das suas autoras: Icles Marques Magalhães. Não sei porque lembrei-me do nome dela em particular. Talvez porque “Icles” é um nome super diferente. Depois, vi que eram duas autoras. Havia também a Profª Thereza Neves da Fonseca. Dentre as lições de língua portuguesa e de matemática da "Mágica do Saber", havia textos, que eram usados pela professora para nos ajudar na interpretação. Jamais esquecerei-me do último texto do livro. Era uma crônica de Sérgio Porto, conhecido por “Stanislaw Ponte Preta”. Depois de lê-lo, caí de amores pelos textos desse tal de “Lalau”. O nome da crônica era “A Velhinha Contrabandista”. Na época, não me lembro bem em que ano, eu achei o título sensacional. Adorei. Hoje, passados mais de 40 anos, publico a crônica da “velhinha” neste espaço para compartilhar com vocês o quão gostoso pode ser aprender a nossa língua e também... Ler.

A Mágica do Saber
Diz que era uma velhinha que sabia andar de lambreta. Todo dia ela passava na fronteira montada na lambreta, com um bruto saco atrás da lambreta. O pessoal da alfândega - tudo malandro velho - começou a desconfiar da velhinha. Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da alfândega mandou ela parar. A velhinha parou e então o fiscal perguntou assim pra ela: 
- Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com esse saco aí atrás. Que diabo a senhora leva nesse saco? 
A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os outros, que ela adquirira no odontólogo, e respondeu: 
- É areia! 
Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e mandou a velhinha saltar da lambreta para examinar o saco. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado, ordenou à velhinha fosse em frente. Ela montou na lambreta e foi embora, com o saco de areia atrás. Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com moamba, dentro daquele maldito saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco atrás, o fiscal mandou parar outra vez. Perguntou o que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia. Diz que foi aí que o fiscal se chateou: 
- Olha, vovozinha, eu sou fiscal de alfândega com quarenta anos de serviço. Manjo essa coisa de contrabando pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista. 
- Mas no saco só tem areia! - insistiu a velhinha. 
E já ia tocar a lambreta, quando o fiscal propôs: 
- Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não dou parte, não apreendo, não conto nada a ninguém, mas a senhora vai me dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui todos os dias? 
- O senhor promete que não "espía"? - quis saber a velhinha.
- Juro - respondeu o fiscal. 
- É lambreta. 
Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta

54 comentários:

  1. Eu também usei estes livros na escola e adorei seu texto. Lembro muito bem desta velhinha da lambreta! Obrigado por me trazer essa recordação.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Sr. Vittor. São essas recordações que hoje nos fazem ver como foram valiosos os nossos dias de escola com bons professores e de bom ensino. São essas "pequenas" recordações que nos mostram que todos esses anos valeram a pena.

    Obrigada pela visita e pela participação.

    Abraços,
    Eliane Bonotto

    ResponderExcluir
  3. Ah! Eu estudei neste livro, e tb (não sei pq, lembrava o nome das autoras de cor)
    Eu lembro muito da poesia do menino Luxento...vc podeia publicá-la eliane? e me dizer de quem é a autoria?

    Cristina Hare

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Menino luxento, você quer empada? Não mamãezinha, está muito tostada. Menino luxento, você quer pudim? Não mamãezinha, está muito ruim......."
      Também sei até hoje o "Menino Luxento" de cor. Também me lembro do:
      "Mais valhe uma palhoça, onde nela o riso mora, do que palácios dourados, onde o ouro se chora."
      "Coitado do mentiroso, mente uma vez mente sempre, mesmo que diga a verdade, todos lhe dizem que mente."
      Eu sempre AMEI a minha Mágica do Saber. Fiz todo o primário com ela. Pena não ter guardado nem um livro dessa série maravilhosa.

      Excluir
    2. Excelente essa historinha do "Menino Luxento". Lá se vão mais de 35 anos e eu não me esqueço do Menino.

      Excluir
    3. Excelente essa historinha do "Menino Luxento". Lá se vão mais de 35 anos e eu não me esqueço do Menino.

      Excluir
  4. Cristina, eu adoraria, mas não guardei a minha Mágica do Saber. Lembro-me apenas deste texto do Stanislaw Ponte Preta.

    Mas vou procurar saber onde posso obter um exemplar dela, pois me traz ótimas recordações. Achando a poesia do Menino Luxento, é claro que a publicarei.

    Foi um prazer receber seu comentário. Obrigada pela visita.

    bjs
    Eliane Bonotto

    ResponderExcluir
  5. Estudei com este livro a Mágica do Saber, no Externato Sagrada Família em João Pessoa, onde era administrado por freiras francesas e pelo diretor Frei GABRIEL, onde era um pouco rígido o regime,mas a grande maioria dos alunos sairam com uma boa formação, e quanto ao livro recordo do texto que jamais esqueci o CAJUEIRO.
    ALBERTO DO EGITOJoão Pessoa PB

    ResponderExcluir
  6. Olá Alberto. Boa tarde. Assim como respondi para a Cristina, digo o mesmo a você. Não guardei a minha Mágica do Saber. Lembro-me apenas deste texto do Stanislaw Ponte Preta.

    Mas vou procurar saber onde posso obter um exemplar dela, pois me traz ótimas recordações. Aí, poderei publicar o texto que ela mencionou e também o Cajueiro, que está em suas lembranças de menino. Promessa é divida. rsrs

    Obrigada pela visita ao blog e por ter deixado seu comentário.

    Forte abraço,
    Eliane Bonotto

    ResponderExcluir
  7. Eliane, que alegria, mulher, encontrar vc falando sobre um assunto que eu procurando na internet fui direcionada a seu blog: "A mágica do Saber". Lembro de muitos textos, pois os decorava, mas gostaria mesmo é de pegar um exemplar. Vamos procurar? Grata e beijos!!!

    ResponderExcluir
  8. Aí vão alguns textos que lembro agora:

    Primavera

    Já é primavera
    e a grama verdinha
    pintada de flor
    de tudo que é cor
    parece paleta
    de um grande notável
    divino pintor

    Preguiçoso

    é um preguiçoso
    que nada quer fazer
    um mole, um cabuloso,
    que foge do dever
    Não tem o que coma à mesa
    nem uma migalha tem de pão
    O corpo é só sujeira
    a roupa é só rasgão.

    Versinhos populares:

    Você diz que sabe muito
    Há outros que sabem mais
    Há outros que tiram pombas
    do laço que você faz.

    Coitado do mentiroso,
    mente uma vez, mente sempre
    mesmo que fale a verdade
    todos dizem que mente.


    Pedrinho

    O Pedrinho é um menino ruivozinho endiabrado
    Apesar de pequenino,a todos já dá cuidado
    Estava um dia brincando com seu bichano peludo
    quando a mamãe vai passando e percebe logo tudo

    ouvindo o gato miar, ela ralha com carinho:
    _Você não deve puxar o rabo deste bichinho!

    Não sou eu que estou puxando,
    diz Pedrinho gaiato,
    eu estou só segurando,
    quem puxa, mamãe, é o gato!



    O menino luxento

    _ Menino luxento, você quer empada?_
    _Não mamãezinha, está muito salgada.
    _ Menino luxento, você quer salada?
    _ Não mamãezinha, está muito aguada.
    _Menino luxento, você quer pudim?
    _ Não mamãezinha está muito ruim.
    _ Menino luxento, você não quer nada?
    _ Menino luxento, pois tome palmada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris!!!! Que legal te encontrar no meu blog, querida. É uma honra ter seus comentários postados aqui. Ando procurando um exemplar da Mágica do Saber, mas ainda não encontrei. Continuo procurando. Quem achar primeiro manda um email, combinado?! Adorei ler seus comentários. Obrigada pela visita. :)

      Excluir
    2. Boa tarde! Você pode encontrar no seguinte sítio:
      http://www.estantevirtual.com.br/q/A-magica-do-saber
      Um abraço

      Excluir
    3. Certamente procurarei lá. Muito obrigada pela gentileza.

      Eliane Bonotto

      Excluir
    4. http://www.estantevirtual.com.br/q/A-magica-do-saber

      Excluir
  9. Caramba, tenho 53 anos e este livro faz parte de minhas memórias da Escola Professor Carneiro Ribeiro, em Ramos no Rio de Janeiro (Rua da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense). Estudei lá todo o meu primário e até hoje me lembro do cheiro de material escolar novo no início das aulas.. Bons tempos e estudo de verdade, com professores que, apesar de mal pagos, adoravam ensinar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos. Estou gostando de compartilhar com todos vocês essas lembranças de um tempo gostoso que é a infância saudável que tivemos o privilégio de desfrutar. Obrigada pela visita.

      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  10. MEU DEUS! QUANTA EMOÇÃO!!!
    OBRIGADO A VC AMIGO POR NOS PROPORCIONAR ALGO TÃO MARAVILHOSO.
    EU TAMBÉM ESTUDEI NESTE LIVRO E TENHO HOJE ALGUMAS LIÇÕES DE VIDA MUITO BOAS..
    AH QUE SAUDADE....
    QUE MUNDO MARAVILHOSO ESSE QUE ESTUDAMOS.
    O TÍTULO DO LIVRO FAZ JUS AO CONTEÚDO.
    OBRIGADO AMIGO.
    FICA COM DEUS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João. Boa tarde. Realmente você está coberto de razão, o título do livro faz juz ao seu conteúdo. Obrigada pela visita.

      Abs,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  11. sou doido pra achar esse livro, tb estudei nele

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pelo blog...Pensei que só eu fosse apaixonada pela Mágica do Saber...tenho garimpado em sebos por anos... consegui os livros da 3a e 4a séries, mas o mais importante, meu primeiro livro didático...o da 2a série, não encontro de jeito nenhum...justamente onde tem o poema "ou isto ou aquilo" e o do menino luxento...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cassia. Fico feliz que tantas pessoas tenham se manifestado saudosas do seu livro escolar. Isso é, no meio do caos em que está a educação no Brasil, sinal de que quando os professores e o sistema da escolha do livro didático etc. são bons, a coisa dá certo no final.

      Eu também não consegui encontrar A Mágica do Saber até hoje. Aliás, todos que aqui deixaram seus depoimentos. Será que é porque este foi um livro "mágico"? Tenho certeza de que a Velhinha Contrabandista, do Stanislaw Ponte Preta, diria que o motivo de não encontrarmos o livro é exatamente esse... Ele é mágico!

      Vamos continuar a procurar. Eu continuo a fazê-lo. Assim que encontrar, aviso a todos num post, ok?! Obrigada pela visita ao blog. :)

      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
    2. Prazer falar desse livro que fez parte da minha infância. Tenho hj 54a..... e aprendi muito.
      Lembra da leitura do Parsalzinho.... tbm no ultimo andar.....menino Luxento..... e outras leituras lindas... q maravilha. Gostaria de ter o livro.
      Um forte abraço.

      Excluir
    3. Prazer falar desse livro que fez parte da minha infância. Tenho hj 54a..... e aprendi muito.
      Lembra da leitura do Parsalzinho.... tbm no ultimo andar.....menino Luxento..... e outras leituras lindas... q maravilha. Gostaria de ter o livro.
      Um forte abraço.

      Excluir
  13. Eu fui entre 63 e 71 o gerente da editora que lançou este título e muito calaborei em seu lançamento, bem como " Meu companheirinho" e "Minhas fichas de férias" e a cartilha Pompom meu gatinho todos da Thereza e Icles. Lancei tb outros títulos de outras autoras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carlos. Meu Companheirinho! Que saudade. Você teria ideia de como podemos fazer para encontrar a Mágica do Saber? Já tentei de tudo que conheço.
      As profas. Tereza e Icles eram muito boas no que escreviam. Não conheci 'Minhas fichas de férias' nem o 'Pompom'.
      Se você quiser contar um pouco mais da sua experiência de editor, está, desde já, convidado a publicar um (ou mais) post(s) no meu humilde e meio 'negligenciado pela dona' blog.
      Se preferir me mandar um email... elianebonotto@elianebonotto.com, será um prazer enorme conhecer outros bons títulos.
      Obrigada pela visita.
      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  14. Que saudade! Estudei no primário com A Mágica do Saber, aqui no Rio. Lembro-me muito bem de todos os trechos que voces publicaram no blog. Queria muito um exemplar, mas nem mesmo na estante virtual pude encontrar. Será que alguém já teve sorte?

    ResponderExcluir
  15. Estudei todo o Curso Primário (depois chamado 2º Grau e agora de Ensino Fundamental 1º Ciclo), usando apenas este livro A Mágica do Saber e outro livro chamado Infância Brasileira. Eram bons livros que passavam de ano para ano acompanhando o aluno e quando esse terminava o Curso Secundário, os livros ainda serviam para os alunos que estavam saindo da Alfabetização. Bons tempos aqueles...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita, Júlio César!
      Abraços,
      EB

      Excluir
  16. Para todos:
    Deixo o link de um novo post que fiz sobre a Mágica do Saber. Espero que gostem.
    http://www.elianebonotto.com/2013/03/as-aventuras-da-magica-do-saber.html

    Abraços,
    Eliane Bonotto

    ResponderExcluir
  17. Bom dia pessoal, hoje 30 de novembro de 2013 comecei a lembrar dos meus tempos de colégio e de repente lembrei do texto " Grimblé" , alguém se recorda?
    Lendo os posts aqui, resolvi que segunda feira vou até o famoso Sebo do Messias aqui no centro de SP e procurar não só " A Mágica do Saber ", e aproveitar e ver se encontro a Cartilha Caminho Suave, que também continha textos memoráveis, que lembro até hoje , como por exemplo o texto " Nhá Maria " que naquele longinquo tempo nos apresentava aos dígrafos,

    Vou aproveitar o meu horário de almoço na segunda e ver se recupero um pouco da memória acadêmica,

    Bom final de semana a todos

    Renato

    ( rodriguesestruturas@hotmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Renato. Boa tarde.
      Que bom saber de mais uma pessoa que estudou usando A Mágica do Saber. Infelizmente, já tentei, mas não consegui me lembrar do texto de que você fala, o "Grimblé".
      Estou bastante esperançosa de você encontrar os dois livros no sebo em SP. Em Sampa tem de tudo! Aqui no Rio já não se encontra quase nada. Agradeço em meu nome e em nome dos leitores que também se esforçaram para encontrar A Mágica do Saber.
      Bom final de semana pra você e muito obrigada pela visita.

      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  18. Olá,Eliane.Estou muito feliz em relembrar dos meus 12 anos,quando estudei com este livro. Tempos de estudo sério, professores que levavam o ensino como meta. Gostaria muito de saber como adquirir um exemplar. NOSSA ! QUANTA ALEGRIA !!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  19. Olá, Sueli. Todos que deixaram comentários aqui estão, assim como eu, tentando encontrar um exemplar da Mágica do Saber. Tão logo alguém encontre, vou tentar avisar a todos e a você também.
    Obrigada pela sua visita.

    Abraços,
    Eliane Bonotto

    ResponderExcluir
  20. Estudei na Mágica do Saber nos quatro anos do antigo primário. Menino Luxento é um clássico que, hoje, seria considerado politicamente incorreto.. "Menino luxento vc não quer nada, menino luxento pois tome palmada..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Valéria, vc disse tudo. Realmente, hoje o Menino Luxento seria execrado das escolas pela "elite" esquerdista. A autora desse texto excelente, a poetiza Tavi Pagano, que tanto nos ensinou em relação aos verdadeiros valores humanos, hoje seria taxada de preconceituosa e possuidora de aversão irreprimível às demandas das crianças oprimidas por pais despóticos, além de ser processada e enquadrada na grotesca "lei da palmada" (que ainda não foi aprovada).
      Que falta nos fazem as antigas professoras dos anos 60/70, que falavam e escreviam primorosamente a língua portuguesa, que eram conhecedoras em grande alcance da matemática e das ciências. Que falta nos fazem as cartilhas e livros didáticos politicamente incorretos a nos ensinar que a vida é a realidade que se nos apresenta, e não o delírio patético dos atuais "educadores".
      A cada dia que passa sinto mais saudade da Mágica do Saber, cujo título em si é uma obra-prima. Obrigada pela visita.
      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Anteontem meu irmão lembrou de alguns poemas que aprendemos na Mágica do Saber. "Plutão", de Olavo Bilac, o Menino Enjoadinho e outro do qual não recordamos o título nem o autor. Um que tinha as seguintes estrofes: "Cada vez que falar ouço / Dos escravos, dor tormentos / Do seu grande sofrimento / Bem digo a Lei de Paranhos / De Cotegipe o Ensaio / ... o 13 de Maio / Louvo a Princesa Isabel..."
    Ele procurou na Internet e achou o seu blog, que me propiciou uma agradávekl viagem aos anos de 66 a 69, em que estudei na Escola Minas Gerais, na cidade do Rio.
    Somos 5 irmãos, todos formados pela Mágica do Saber.
    O poema Menino Enjoadinho aprendi antes de ser alfabetizado, por ouvir a minha irmã decorando. Aliás, boa parte do que leria nos livros eu já tinha ouvido pelas minhas irmãs, ja decorando ou comentando. Como é o caso de um que mais me intrigava e lembro até hoje: Um pai mandava o filho à casa do vizinho, pedir emprestado o serrote, que era conhecido como Vai-e-vem. O vizinho assim responde ao menino: "Se Vai-e-vem, vai e vem, Vai-e-vem vai, mas se Vai-e-vem vai e não vem, Vai-e-vem não vai."
    Bons tempos ! Ainda me lembro de nós choramingando, que não queríamos ir à aula e meu pai dizendo que poderíamos faltar, no dia em que chovesse de baixo para cima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jobsant, acabei de escrever uma resposta enorme para agradecer o seu comentário delicioso, e perdi tudo quando estava publicando. Que droga!
      Não me lembro de tudo que escrevi sobre os textos maravilhosos que você me fez relembrar e que me fizeram dar um passeio pelo tempo (também estudei de 66 a 69 na Mágica do Saber).
      Obrigada pela visita e pelo comentário. Amei o último parágrafo. O que nos falta hoje são exatamente os valores sólidos das nossas famílias.

      Abraços para você e seu irmão,
      Eliane Bonotto
      elianebonotto@elianebonotto.com

      Excluir
  23. Chegaram-me ontem pelo Correio 2 exemplares d'A Mágica do Saber que achei no Mercado Livre. Há mais um disponível lá, mas o sujeito está pedindo 100 reais (do 3º ano). Na Estante Virtual, atualmente, não há um único exemplar.
    Os que me chegaram eram exatamente os que eu mais queria: os do 6º ano (antigamente chamado Admissão): POR/MAT e HIS/GEO. Os dois livros estão em excelente estado de conservação. Um deles está praticamente zerado. Incrível e surpreendente...
    Vou repetir 1.000.000 vezes: saudosismo ou não, não se fazem mais livros didáticos como aqueles. E praticamente não há mais professoras como a Profª. Icles a Profª. Thereza. Ficar mais "maduro" tem dessas coisas: a comparação do presente com o passado, muitas vezes é francamente desfavorável àquele. Como éramos felizes... :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João Luís. Fiquei muito contente de saber que você conseguiu dois exemplares de A Mágica do Saber. Você nos avisou sobre um 3º exemplar e eu corri para o Mercado Livre. Só que neste exemplar que está a venda não consta o ano da publicação, segundo o vendedor.
      A capa do livro é bem diferente daquela do livro em que eu estudei. Eu me lembro bem da Mágica do Saber com a capa cor de rosa, apesar de não me lembrar a série do livro. Lembro-me que também usei o livro com a capa amarela, como o da foto deste post. Mas, definitivamente, o livro que está a venda não é da mesma edição deste do post.
      João Luís, o livro que você comprou tem a capa igual ao que ainda está a venda? Ou tem a edição de 1966, como esse da foto deste meu post? Eu não me lembro de ter estudado na Mágica do Saber com aquela capa na qual há a professora e o aluno.
      Obrigada.

      Excluir
  24. E vocês citaram "O Menino Luxento"... Como não lembrar desse poeminha/historieta?... Lembro que eu, criança, ao deparar com aquele adjetivo, pensei: "Que palavra mais estranha"... Nunca mais o vi escrito em lugar nenhum. "Luxento"...
    No Geografia do 6º Ano/Admissão, havia a lista com os todos os países independentes de então (início dos Anos 70) e suas capitais. Memorizei todos (incluindo as capitais) e nunca mais os esqueci, até hoje (fui procedendo as devidas atualizações, claro)...
    O nome da série era perfeito: aquilo, para mim, era uma mágica e tanto. E até hoje é...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Menino Luxento é o conto de que os estudantes de A Mágica do Saber mais se lembram.
      Eu também nunca mais ouvi ou li esse adjetivo depois dos meus tempos de criança, mas meu pai o usava comigo quando queria dizer que eu estava exigindo demais. Era tiro e queda: "Você é muito luxenta, viu?!" Talvez tenha sido uma expressão dos anos 50/60, não sei. Mas que dá saudade, ahh, isso dá.
      Muito obrigada pela visita.
      Abraços,
      Eliane Bonotto

      Excluir
  25. Poxa...quanta coisa boa de ler neste espaço. Fui pesquisar e procurar pela "MÁGICA DO SABER" e me deparo no outro link da ELIANE com um belo e importante relato do Editor CARLOS DODL. Obrigado ELIANE , ao Sr. Carlos Dodl e filhos e ao Eduardo-filho do ilustrador MANOEL . Fui criado em escola pública( de 1965 a 1972). Enfim.nasci em 1955 e ,daí voces podem deduzir minha idade. Devo tudo à Escola Pública. Um grande abraço a todos. LUIZ ALFREDO

    PS: Estou tentando sem sucesso achar UM exemplar da MÁGICA, se alguém puder ajudar ficarei muito agradecido >>> lalima318@gmail.com

    ResponderExcluir
  26. Nossa!Eu também estudei na mágica do saber e tive o livro até alguns anos atrás.Me desfiz na mudança.Pena.

    ResponderExcluir
  27. Nossa!Eu também estudei na mágica do saber e tive o livro até alguns anos atrás.Me desfiz na mudança.Pena.

    ResponderExcluir
  28. Boas recordações, voltando no tempo. O texto que mais me recordo é o da "velhinha contrabandista".

    ResponderExcluir
  29. Boa noite Eliane. Eu já ia dormir, quando me veio a mente mais uma tentativa de encontrar estes livros, ou pelo menos alguém que também usado. E para minha alegria encontro esta página. Meu DEUS que lembranças incríveis, verdadeira viagem.Vi muito rapidamente, acima que um rapaz tem um site, página ou algo parecido com mais conteúdo. O que mais vem a minha mente é A velha Totonha que vivia dando muxoxos, A bicicleta de Serginho e a estória do mentiroso. Gostaria muito de encontrar "Sofia, a desastrada". Obrigada por me (nos) momentos de magia com estas lembranças tão leves e pura. Um grande abraço. Graça e Paz. Vou add no face, caso vc aceite, Jozélia Terto.

    ResponderExcluir
  30. Bom Dia.
    Que felicidade.Estudei na Escola Alvaro Alvim-em Magalhães Bastos -Rj.E amava A Magica do Saber.Contava muito a história do menino pastor,para o meu filho e hoje conto para o meu neto.Esse livro era uma mágica mesmo.Amava o livro.Saudades.

    ResponderExcluir
  31. Bom Dia!
    Por favor,será que pode fazer o favor de escrever a historia do menino pastor?
    Agradeço muito.

    ResponderExcluir
  32. Muito bom ter encontrado pessoas reunidas nesse sítio e com a mesma paixão que eu pelo livro "A mágica do saber", como todos também estudei durante todo o meu primário. Lembro de algumas leituras de cor e outras apenas o que na minha imaginação fui levada, marcante demais, inesquecível. essa nunca esqueci Princesa isabel.... "Glória a princesa isabel a redentora imortal que a escravidão extinguiu em sua terra natal. Glória ao seu nome querido e sua amada memória que hão de brilhar para sempre nos livros da nossa história. Brasileiros com ternura relembrai essa princesa, que deu ao nosso Brasil maior renome e grandeza." Muita saudade!

    ResponderExcluir
  33. Nossa pessoal, tenho 31 anos e toda minha infância foi "ilustrada" pelos contos da Mágica do Saber, q minha mãe recita, até os dias atuais, de cor. Falávamos sobre eles na semana passada e estou aki à procura...
    Quando achei o blog, corri ao telefone e me coloquei a ler o chat pra ela, à seu pedido aí vai um q lembro um pouco, além da do Pedrinho que já postaram aki... (não sabemos o título, nem o autor):

    "Velho Zuza tinha uma oficina e muitas de suas ferramentas eram emprestadas e não lhes eram devolvidas. Até que ele organizou a oficina e colocou nome em todas as ferramentas. O serrote era Vai-e-vem, o martelo era toque-toque e por assim ia...
    Um dia o filho do vizinho veio lhe pedir o serrote emprestado e o velho respondeu: (minha mãe declama poeticamente a fala dele, mas não lembro as palavras exatas)
    - Diga à seu pai q se Vai-e-vem fosse e voltasse, Vai-e-vem iria, mas, como Vai-e-vem, vai e não vem, Vai-e-vem não vai!
    Esses contos viraram uma espécie de herança de memória pra minha família, agora os recitamos em coro para os netos de meus pais. Lindo isso e entendo super o saudosismo de todos aqui!!!

    Grande abraço,
    Rafa Reis

    ResponderExcluir

Tô só de olho em você...
Já ia sair de fininho sem deixar um comentário, né?!
Eu gosto de saber sua opinião sobre o que escrevo.
Não tem de ser só elogio... Quero sua opinião de verdade!